O projeto Baja SAE é uma competição entre instituições de ensino superior que desafia estudantes de engenharia através da simulação de um caso real de desenvolvimento de projeto, com todas as atividades que envolvem o mesmo, visando a aplicação prática dos conhecimentos adquiridos em sala de aula.

O objetivo de cada equipe é projetar e construir um protótipo recreativo, fora de estrada (offroad), monoposto, robusto, visando sua comercialização ao público entusiasta e não profissional. O veículo deve ser seguro, facilmente transportado e de simples manutenção e operação. Deve ser capaz de vencer terrenos acidentados em qualquer condição climática sem apresentar danos.

Cada equipe compete para ter seu projeto aceito por um fabricante fictício. Para isso, os alunos devem trabalhar em equipe para projetar, construir, testar, promover e competir com um veículo que respeite as regras impostas além de conseguir suporte financeiro para o projeto. Tudo deve ser feito respeitando sempre as prioridades acadêmicas.

A competição é dividida em duas categorias de provas:

Provas Estáticas:

Relatório do projeto;

– Relatório de custos;

– Inspeção de Segurança;

– Conformidade de projeto;

Provas Dinâmicas:

– Velocidade e aceleração:

Aceleração: Esta avaliação é a primeira etapa da prova combinada de aceleração e velocidade máxima, e mede a habilidade do veículo em transmitir potência útil na forma de aceleração. Cada veículo poderá realizar duas passagens. A pontuação será baseada no menor tempo medido pelo veículo em duas passagens por um trajeto plano e reto de 30 metros de comprimento, saindo da posição de largada com velocidade zero.

Velocidade Máxima: Esta avaliação é a segunda e última etapa da prova combinada de aceleração e velocidade máxima e mede a maior velocidade que o protótipo pode alcançar em 70m. A velocidade máxima será medida pelo tempo gasto pelo veículo para percorrer a “faixa de velocidade” (70m) ou através de sensores, radares ou outro método aplicável.

– Tração (Pull track):

Tração (Pull Track): Esta avaliação tem como objetivo testar a capacidade de tração dos protótipos. Um dispositivo chamado “eliminator skid” (trenó) é engatado ao ponto de reboque traseiro, e conforme o veículo se move, o lastro deste trenó desliza progressivamente para frente. Este lastro deslizante vai gradativamente aumentando a carga a ser vencida pelo veículo. Uma vez que o trenó pára de se movimentar, a avaliação está encerrada. Cada equipe tem direito a duas tentativas.

– “Suspension and traction”:

 

“Suspension and Traction” (S&T): Esta avaliação consiste em percorrer um traçado sinuoso e com obstáculos onde será testada a capacidade de manobras e tração do veículo. O percurso da prova pode conter curvas abertas e fechadas, subidas, descidas, inclinações e obstáculos como areia, lama, pedras, costelas, troncos de árvore, etc. A classificação da prova de “Suspension and Traction” define o grid de largada do Enduro de Resistência

–  Enduro de Resistência

No Enduro de Resistência os veículos devem completar voltas em uma pista de terreno irregular, off-road, com obstáculos, em qualquer condição climática, por um período de 4 horas a ser confirmado pela organização. A pontuação se baseia no número de voltas completadas no período estabelecido. A organização detalhará o funcionamento da prova antes da largada.

O grid de largada é definido pela classificação da prova de “Suspension and Traction”. A organização do evento definirá outra forma de classificação caso necessário.

O somatório da pontuação obtida nas provas determina o vencedor da competição e os dois primeiros colocados ganham o direito de participar da competição internacional, realizada nos Estados Unidos.